Superliga Feminina

  • Crédito: João Pires/Fotojump

    Pelo Osasco Audax, Mari Paraíba marcou 20 pontos na decisão paulista contra 17 de Tiffany, do SESI.

Mari Paraíba atribui derrota a Tifanny

Ponteira do Osasco Audax dá declaração polêmica após derrota na final do paulista feminino
Por: Redação - 06/11/2018 13:00:33
2.416 visualizações

A ponteira Mari Paraíba, ainda no calor da derrota por 3 a 2 para o SESI Bauru, atribuiu a perda do título paulista do Osasco Audax à entrada da ponteira Tifanny em quadra. “Ninguém gosta de perder. A gente treina diariamente para conseguir títulos. A Tifanny entrou no jogo e mudou a cara do jogo. Seria hipocrisia falar que ela não faz a diferença no time, por que ela faz. Mas a gente lutou até o final”, declarou.

A fala de Mari Paraíba reaquece a polêmica que começou na temporada 2017/2018, quando Tifanny - a primeira atleta transexual a atuar no voleibol brasileiro - conduziu o Bauru aos playoffs da Superliga feminina e rivalizou com Tandara, então no Vôlei Nestlé, a artilharia de pontos no campeonato. Tifanny atesta que seus níveis hormonais são semelhantes aos de uma mulher, mas a força de seu ataque sempre gera discussões.

No jogo de segunda-feira, a ponteira do SESI Bauru marcou 17 pontos. A principal artilheira do jogo foi a italiana Valentina Diouf, também do SESI Bauru, com 22 acertos. Do lado do Osasco Audax, a principal pontuadora foi Mari Paraíba, com 20. No sábado, o Osasco Audax volta à quadra para decidir a Supercopa contra o Dentil Praia Clube. O duelo opõe o campeão da Copa Brasil contra o campeão da Superliga 2017/2018.

Veja declaração de Mari Paraíba

Compartilhe



Veja também...

8 Comentários

  1. Eu mesmoDiz:

    Com essa declaração infeliz, covarde, preconceituosa, deselegante e recalcada, Mari PB só provou que não pode jogar a Liga Turca e nem a Liga Italiana onde jogam as opostas mais altas e mais fortes do Mundo como: Boskovic, Egonu, Louisa Lippmann, Lonneke Sloetjes, Gaila Ceneida Gonzalez, Samanta Fabris, Isabelle Haak, Kaja Grobelna, Polina Rahimova, Malwina Smarzek, Anthi Vasilantonaki, Meryem Boz.
    Será que Mari PB teria coragem de disputar o Campeonato Turco ou o Campeonato Italiano e enfrentar essas opostas gigantes, com muita força física e ataque poderoso?
    Pelo jeito, foi acertado mesmo que Mari PB não fosse convocada pra seleção, já que no Mundial provavelmente ela iria amarelar ao ver opostas gigantes de 1,90m e ataque poderoso!

  2. Eu mesmoDiz:

    Rafael Grapper, parabéns pelo comentário! É impressionante como uma alta dose de preconceito faz com que esses preconceituosos se sintam no direito de interfererir na vida íntima da pessoa. Só Tifany, só ela mesmo e mais ninguém sabe o quanto foi sofrido pra ela nascer numa família pobre e passar por tudo que passou até chegar aqui. E quanto ainda sofre com pessoas cruéis e insensíveis que insistem em excluí-la! Pela dignidade do ser humano, respeitem Tifany como um ser humano. Ela não é criminosa. Ela não é um monstro. Ele é um ser humano, que vem sendo humilhada e excluída constantemente desde a infância por ser uma mulher trans! Ninguém escolhe ser uma mulher trans, ela nasceu mulher trans, porém, tem pessoas que se acham melhores do que ela pra dizer o que ela deve ser! Nenhum dos comentaristas aqui, inclusive eu, é melhor do que a Tifany e dizer o que ela deve ser! Respeitem o ser humano Tifany!
    O que desejoa Tifany é que ela seja muito feliz e conquiste seus objetivos!
    O que me interessa é o vôlei da Tifany, gosto de vê-la jogar, assim como admiro ver Fabíola, Brait, Tassia, Arlene, Paula Pequeno, Walewska, Fabiana Claudino e muitas outras! Independentemente de que cor elas são, de que religião elas sigam, de que idade elas tenham ou de que clubes elas jogam , quero ver o voleibol dessas garotas e sua atitude guerreira em quadra! Gosto do vôlei da Tifany, gosto da pessoa Tifany e isso me basta! Não quero e não me acho no direito de interferir nas individualidades e na privacidade da Tifany!
    Respeitem-na! Por favor!

  3. alanbraDiz:

    E ela está errada por isso?

  4. CarlosDiz:

    Osasco, não tem banco... Justificada as derrotas.

  5. Anonymous Diz:

    Mari PB deveria jogar mais e falar menos besteira, ela deceria aprender um pouco de classe com a maravilhosa Paula Pequeno. Não gostei da alfinetada inoportuna da recalcada Mari PB, que não teve a humildade de reconhecer os próprios erros e de que venceu o time que errou menos nos momentos decisivos de final de set. O último ponto do tie break resumiu bem o que foi o jogo: ataque de Tifany defendido por Mari PB, levantamento de Claudinha na entrada de rede, e Ângela Leyva, de forma afobada, exagerando na força e pecando na precisão, desperdiçando o ataque batendo pra fora. Ou seja, Tifany teve o ataque defendido, mas pelo menos atacou pra dentro da quadra, coisa que Leyva não fez, pondo a bola fora! Tifany fez o que se espera de uma oposta de 1,94m, porém, Tifany não está no nível de opostas gringas de 1,90m como uma Boskovic ou uma Egonu ou uma Louisa Lippmann ou de uma Slotjes. Tifany jogou bem, foi bloqueada, foi defendida, normalmente como qualquer jogadora, porém, está abaixo das melhores opostas do mundo como Boskovic, Egonu, Lippman e Slotjes. Inclusive, em certos momentos da partida, Palácio e Diouf foram mais decisivas que Tifany. Bauru tem a vantagem de ter boas de definição como Palacio, Diouf, Tifany e Edinara. Inclusive, Edinara foi usada nas inversões do 5x1, quando Tifany foi jogar na ponta. Já pelo Osasco, as jogadorasde definição como Leyva e Lorrenne não tiveram a mesma regularidade e assertividade que Paula Pequeno.
    Quero também parabenizar a grande atuação do Anderson na movimentação de suas peças no tabuleiro, pondo todo elenco pra jogar de acordo com as demandas do jogo. As entradas de Arlene, Andressa Picussa, Gabi Cândido, Tifany, Edinara, Naiane, tiveram sua relevância tática e foram importantes para o encaminhamento da vitória do Bauru.
    Comparado ao Kwiek, pode-se que Andrrson conseguiu, nesses dois 3x2 da final contra Osasco, ir ajustando o time durante a partida, ao passo que Kwiek só bagunçava o time e confundia as jogadoras.

  6. Henrique Diz:

    Hora dos patetas, vomitando...

  7. RondeyDiz:

    Fico imaginando o walace virando transsexual e jogando na liga feminina.

  8. Pedro CogoyDiz:

    Linda a Mari, e ela está certíssima. Tifany pode ter feito menos pontos que Mari e Diouf, mas ela jogou apenas meia partida. Se tivesse jogado a partida inteira teria feito uns 30 pontos.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

Publicidade
Publicidade
Publicidade