Superliga Feminina

  • Crédito: William Lucas/Inovafoto/CBV

    Evento oficial de lançamento da Superliga feminina, em São Paulo-SP, reuniu parte das estrangeiras.

Superliga feminina tem recorde de estrangeiras

Onze jogadoras de outros países vão atuar no campeonato, que teve seu lançamento nesta quinta-feira
Por: Redação - 08/11/2018 15:47:25
950 visualizações

A Superliga feminina é, comprovadamente, um campeonato respeitado em todo o mundo. A prova é que a temporada 2018/2019 terá recorde de estrangeiras. Doze jogadoras nascidas em outros países estão na competição.

Entre os destaques estão as norte-americanas Destinee Hooker (Osasco Audax), Payne (Pinheiros), Carlli Llloyd e Nicole Fawcett (Dentil Praia Clube), as argentinas Mimi Sosa (BRB Brasília) e Julieta Lazcano (Curitiba), as cubanas Herrera (Pinheiros) e Palacio (SESI Bauru), a italiana Valentina Diouf (SESI Bauru), a peruana Angela Leyva (Osasco Audax), a russa Tatiana Kosheleva (SESC-RJ) e a polonesa Skowronska (Hinode Barueri).

Para Valentina Diouf é uma das estreantes na Superliga. “Sei que o campeonato é muito competitivo e isso é o que mais me agrada. Espero me adaptar cada dia mais com o modo de jogar aqui e representar bem o SESI Bauru”, diz a oposta italiana.

A Superliga feminina começa dia 13 de novembro, com o duelo entre o Pinheiros e o atual campeão Dentil Praia Clube, às 21h. Nesta quinta-feira, o campeonato foi lançado oficialmente pela CBV. As 12 equipes são as seguintes: Dentil Praia Clube, SESC-RJ, Minas Tênis, Osasco Audax, Hinode Barueri, Fluminense, Pinheiros, SESI Bauru, São Cristóvão Saúde/São Caetano, BRB Brasília, Curitiba e Balneário Camboriú.

A jogadora titular mais velha do campeonato atua pelo estreante Curitiba. É a central Valeskinha, 42 anos, campeã olímpica em Pequim 2008. “Temos boas perspectivas para a primeira divisão. Sabemos que não estamos ainda no mesmo ritmo de outras equipes, a ansiedade é grande, mas assim que o árbitro apita o início do jogo, tudo muda. Vamos com tudo”, comentou.

Apesar de Arlene, do SESI Bauru, ter 48 anos, ela está fazendo a transição para virar auxiliar técnico e não atuará nesta Superliga. 

Compartilhe



Veja também...

2 Comentários

  1. Pedro CogoyDiz:

    Arlene tem 48 anos.

  2. Pedro CogoyDiz:

    A mais velha entre as jogadoras atuando na SL 2018/2019 é Arlene do Sesi/Bauru. Conserta lá.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

Publicidade
Publicidade
Publicidade