Superliga Feminina

  • Crédito: SESC-RJ

    Bernardinho implantou seu projeto de voleibol há mais de 20 anos, em Curitiba-PR, e inspira rivais.

Criador versus nova criatura

Projeto que hoje está com o SESC-RJ começou em Curitiba, que volta ater um time na elite
Por: Redação - 15/11/2018 23:39:24
545 visualizações

A primeira rodada da Superliga feminina terá um confronto inédito nesta sexta-feira, às 21h30: SESC-RJ e Curitiba. A partida é especial para os dois times. A equipe carioca enfrenta o representante da cidade onde o técnico Bernardinho iniciou o projeto que encabeça até hoje. Por outro lado, as paranaenses farão a primeira partida na elite do voleibol brasileiro.

Um dos maiores exemplos de sucesso do projeto que começou na temporada 1997/1998, e se transferiu para o Rio de Janeiro-RJ na Superliga 2002/2003 é a levantadora Roberta. Curitibana, a jogadora começou a jogar vôlei ainda com 8 anos, na escolinha da equipe que, na época, se chamava Rexona. Bernardinho observou e apostou na atleta, que chegou ao Rio com 20 anos. Hoje, com 28 anos, é titular do SESC-RJ e da seleção brasileira.

“Sabemos quer vai ser uma competição extremamente difícil e estamos ansiosas para começar logo. Além dessa ansiedade natural pela estreia, vai ser logo contra o time de Curitiba. Fico muito feliz de ver um projeto da minha cidade voltando para a elite do vôlei. O Curitiba conseguiu montar um time bacana, com mescla de atletas experientes e meninas novas”, elogia Roberta.

Bernardinho pede cuida com o Curitiba, por ser um time franco-atirador. "Nós sabemos muito pouco do Curitiba, tirando uma ou outra jogadora, como a Valeskinha, veterana e muito qualificada, e a Ana Cristina, a levantadora. É uma equipe que terá a motivação de estar estreando na Superliga e utilizará a experiência dessas atletas que já estão acostumadas a jogar a competição", analisa o treinador, que não coloca o SESC-RJ entre favoritos. Para ele, Dentil Praia Clube, Minas Tênis, Osasco Audax e SESI Bauru saem na frente.

O Curitiba promete testar o favoritismo do SESC-RJ. "É um privilégio começar a Superliga, após 15 anos, com uma equipe que tem uma bela trajetória no Paraná e em Curitiba. Temos muito respeito por todas as conquistas do Rio de Janeiro, mas estamos treinando forte para realizar um bom jogo. Somos os estreantes e queremos devagar construir também a nossa história dentro do vôlei feminino nacional", diz o técnico Clésio Prado.

Superliga feminina
1ª rodada
Sexta-feira
SESI Bauru x Hinode Barueri, 19h30
Pinheiros x Fluminense, 20h
Balneário Camboriú x Dentil Praia Clube, 20h
BRB Brasília x Minas Tênis, 20h
São Cristóvão Saúde/São Caetano x Osasco Audax, 20h
SESC-RJ x Curitiba, 21h30

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade