Superliga Feminina

  • Crédito: Print instragram/Gabi Guimarães

    Jogadoras se manifestaram nas redes sociais.

Superliga mantém ranking e desagrada jogadoras

Ranking mantido desagrada grandes estrelas do voleibol feminino
Por: Redação e assessorias/CBV - 27/03/2019 23:54:29

Representantes de nove dos 10 primeiros clubes da fase classificatória da Superliga Cimed  18/19 se reuniram com dirigentes da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) nesta quarta-feira (27.03), em São Paulo (SP). Entre os assuntos discutidos no encontro que acontece anualmente, a definição de ranking. Nesta tarde, então, foi votado e definido pela manutenção do ranking para atletas de sete pontos na temporada 2019/2020.

No seleto grupo, estão 10 jogadoras, sem muitas alterações em relação à Superliga passada. Seguem ranqueadas com sete pontos a levantadora Dani Lins, as centrais Fabiana e Thaisa, as ponteiras Fernanda Garay, Gabriela Guimarães e Natália e as opostas/ponteiras Tandara e Tifanny. As alterações ficam por conta da entrada das levantadoras Macris e Fabíola.

Outras diretrizes mantidas para a próxima temporada da Superliga Cimed feminina são as de que cada clube poderá inscrever no máximo duas atletas que valham sete pontos, além de, também no máximo, duas estrangeiras.

Participaram da votação representantes do Dentil/Praia Clube (MG), Sesc RJ, Itambé/Minas (MG) Osasco-Audax (SP), Hinode Barueri (SP), Fluminense (RJ), E. C. Pinheiros (SP), Sesi Vôlei Bauru (SP) e São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP). O Curitiba Vôlei (PR) não compareceu à reunião. No comando, pela CBV, estiveram o superintendente de Competições de Quadra, Renato D´Ávila, e a gerente da mesma unidade, Cilda D´Angelis.

Na votação, apenas o Dentil/Praia Clube (MG) e a Comissão de Atletas, que enviou sua opinião  por escrito, foram contra a continuidade do ranking.

O ranking foi implantado na temporada 92/93, com o objetivo de gerar equilíbrio entre os times participantes da competição. A partir da temporada 16/17, os clubes votaram pelo fim da pontuação geral para a formação de seus elencos, com jogadoras valendo de zero a sete pontos, passando a contar, apenas, as de pontuação máxima.

A decisão de manter o ranking na Superliga Feminina, mais uma vez, não caiu bem entre as principais afetadas. Na noite desta quarta-feira, estrelas como Gabi, Sheilla, Natália, Fabiana e Tandara postaram uma frase de protesto: “Por que somos mulheres?”, em um fundo todo preto. No comentário, o mesmo texto em crítica ao polêmico ranking.

"Estamos indignadas em perceber que o ranking só continua valendo no feminino. Engraçado a CBV estar indo na contramão dos movimentos igualitários! Machismo até no esporte? @cbvolei #naoaoranking #igualdade #issoémachismo", disse o texto postado pelas jogadoras.  

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade