Superliga Feminina

  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Líbero Fabi passa experiência à ponteira Natália durante atividade decisiva.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Levantadora Roberta é uma das armas do Rio de Janeiro para decisão.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Concentração da cubana Daymi Ramirez na atividade deste sábado.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Dentil/Praia Clube está fechado em busca de seu primeiro título na Superliga.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, está pronto para grande decisão.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Técnico Bernardinho deixa retrospecto de lado e cobra postura vencedora.
  • Crédito: Alex Farias/PhotoGP/Amo Voleibol

    Ricardo Picinin confia na força do conjunto do Dentil/Praia Clube.

Comandantes projetam decisão equilibrada

Bernardinho e Ricardo Picinin destacam pontos fortes dos finalistas da Superliga feminina
Por: Redação - 02/04/2016 19:22:43
886 visualizações

A decisão da Superliga feminina 2015/16 colocará frente a frente as equipes que acumularam maior regularidade ao longo da competição. De um lado da rede no ginásio Nilson Nelson, em Brasília, estará o Rexona-Ades, decacampeão brasileiro e que concluiu a primeira fase na liderança. Do outro, o Dentil/Praia Clube, segundo colocado na fase classificatória e que em sua primeira decisão buscará com a mesma intensidade o título. Bernardinho, comandante da equipe carioca, e Ricardo Picinin, técnico do time mineiro, creem que o equilíbrio ditará o ritmo da partida, às 9h deste domingo.

“As duas equipes vêm de duas series semifinais muito disputadas. A Alix e a Ramirez são as duas grandes pontuadoras. A Walewska é uma líder e a Michelle vem cumprindo muito bem o seu papel. Os times que foram mais consistentes durante o ano chegaram à final”, avaliou Bernardinho, que também é técnico da seleção masculina. Apesar de alcançar o Rexona-AdeS alcançar sua 12ª final consecutiva, o treinador prefere deixar o retrospecto de lado, e cobra de suas comandadas uma postura de “primeira vez”. “Se tradição ganhasse jogo, não teríamos mudanças no cenário. Temos que chegar na quadra e pensar como se fosse a nossa primeira final”, completou.

O trabalho do técnico Ricardo Picinin ao longo do último treinamento antes da decisão, realizado neste sábado no palco do jogo, foi conter a ansiedade da equipe em busca de seu primeiro título e trabalhar variações táticas para surpreender o adversário. Segundo ele, a principal característica do Dentil/Praia Clube é a sinergia das atletas dentro de quadra. 

“A força do Dentil/Praia Clube é o conjunto. As jogadoras dentro de quadra se entendem muito bem. E nós queremos algo mais. Viemos aqui para fazer uma boa partida e sair de quadra com o título. Sabemos que vai ser muito difícil. Vamos enfrentar um adversário duríssimo que disputou as últimas 12 finais de Superliga, mas estamos focados e juntos na busca desse bom resultado”, afirmou Picinin.

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade